Atividade do MED apresenta a importância do caderno de campo

Dez 14, 2021

O Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento (MED) da Universidade de Évora realizou nesta segunda-feira, dia 6 de dezembro, na Herdade da Mitra, a atividade “O meu caderno de campo”. A iniciativa resultou de uma parceria com a organização não-governamental Ambios Portugal e a Câmara Municipal de Évora, e teve por objetivo dar a conhecer o conceito de caderno de campo e, principalmente, incutir nos participantes o gosto pelo desenho de natureza, que implica não só ilustrar, mas também conhecer detalhadamente o que se está a desenhar.

Ao todo, participaram 35  alunos do 3.º e 4.º anos das Escolas Básicas de Valverde e da Horta das Figueiras. Ao chegar ao local, os alunos participaram num workshop sobre desenho de natureza, sendo depois convidados para uma saída ao ar livre, a fim de colocarem em prática o conhecimento apreendido. Após receberem um caderno de campo e um lápis, foram orientados por biólogos, investigadores do MED na Universidade de Évora e colaboradores da Ambios Portugal, sobre como fazer desenhos e registos de vários espécimes de invertebrados, folhas e pegadas de mamíferos.

De acordo com Inês Roque, investigadora do MED e coordenadora da iniciativa “quando caminhamos no campo há sempre tanto para descobrir: aquele inseto que pousa numa folha, uma flor colorida, as aves que cantam à nossa volta, as pegadas de animais deixadas no caminho. Mas será que olhamos com atenção? E será que mais tarde somos capazes de nos lembrar do que vimos?”.

A partir dessas questões surgiu a ideia de ensinar como se deve fazer um caderno de campo “onde desenhamos e anotamos o que observamos, e que nos ajuda a fazer crescer o nosso conhecimento e a nossa conexão à natureza”, explica.

Herdade da Mitra

O ambiente para realização da atividade não poderia ser outro. Na Herdade da Mitra podemos encontrar um mosaico de habitats com uma grande diversidade de plantas e animais. O clima mediterrânico, caracterizado por verões muito secos, fez com que a região fosse ocupada por espécies resistentes à seca como o sobreiro, a azinheira, o alecrim, o rosmaninho e o medronheiro. A existência de áreas com arvoredo mais e menos denso, com e sem matos, com e sem clareiras, promove a variedade dos ecossistemas e a sua biodiversidade.

A importância deste mosaico para a fauna silvestre encontra-se refletida na abundância de herbívoros como o coelho-bravo e o rato-do-campo, insetívoros como o musaranho, o ouriço e os morcegos e carnívoros como a raposa, o sacarrabos e a geneta. Além de mais de 70 espécies de aves, 6 espécies de lagartos e lagartixas, o licranço e 6 serpentes, que encontram refúgio na Mitra. Sem falar em todos insetos e espécies aquáticas que ali se encontram.

Para mais detalhes sobre espécies e habitats da Herdade da Mitra clique aqui.

QUIZ

No final da atividade os alunos foram convidados a responder a 18 questões de um quiz, disponível através de um código QR fornecido no folheto distribuído no local. O objetivo do quiz era dar continuidade à atividade na sala de aula, desafiando professores e alunos a retomarem e discutirem alguns conceitos explorados na visita à Herdade da Mitra, auxiliados pelos registos nos seus cadernos de campo.

Noite Europeia dos Investigadores (NEI)

Esta programação faz parte da estratégia da  NEI e do projeto Missão Ciência e Arte, pois contribui para a literacia científica, fazendo com que a ciência chegue ao público não académico e seja mais  bem compreendida por toda a população, aproximando os investigadores e investigadoras da sociedade.

A NEI-2021 teve lugar no dia 24 de setembro e decorreu com um programa online nacional e atividades locais em Lisboa, Braga, Coimbra e Évora. O tema escolhido foi Ciência para o Clima (SCICLI – Science for Climate), centrando-se nas suas dimensões social, económica e ambiental e, em particular, no seu contributo para a sustentabilidade planetária e neutralidade climática. Neste sentido, o evento nacional alinhou-se de forma clara com o Pacto Ecológico Europeu, que propõe que o impacto no clima seja neutro até 2050, através da promoção de iniciativas que protegem o meio ambiente e impulsionam a economia verde, reduzindo a poluição. 

A Universidade de Évora realizou sete atividades on-line, que geraram o total de 262 interações, e uma programação presencial que compreendeu 24 projetos acontecendo concomitantemente na Praça do Giraldo, na Associação Comercial do Distrito de Évora (ACDE), na estação meteorológica da Torre do Sertório e na Herdade da Mitra. Esta edição da NEI contou com o apoio de 70 investigadores e voluntários, pertencentes às diferentes Unidades de Investigação desta universidade, e 700 pessoas circularam nesta feira de ciência, que é considerada a maior de toda a Europa.

Toda a informação sobre as iniciativas dinamizadas pela Universidade de Évora está disponível em https://noitedosinvestigadores.org/programa-evora/